domingo, 22 de maio de 2011

Informações especiais sobre o blog



Temos agora as páginas denominadas: Professores, Estudantes e Editais. Com o objetivo de torná-lo cada vez mais bem informado sobre o cursinho e os principais processos de seleção.

Atenciosamente,
CDC

Inscrições para o Enem 2011 começam amanhã

Brasília - Estudantes interessados em participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011 poderão se inscrever a partir de amanhã, às 10h, no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). O processo segue até as 23h59 do dia 10 de junho, exclusivamente pela internet.

As provas serão aplicadas nos dias 22 e 23 de outubro. A previsão do Inep é que o número de inscritos passe dos 5milhões. O valor da taxa continua o mesmo de 2010: R$ 35. Estudantes que estão concluindo o ensino médio em escola pública não pagam.
Em 2009, o MEC deu início a um projeto de substituição dos vestibulares tradicionais pelo Enem como forma de ingresso em universidades. A partir do resultado da prova, os alunos se inscrevem no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e podem pleitear vagas em instituições públicas de ensino superior de todo o país. No ano passado, foram ofertadas 83 mil vagas em 83 instituições, sendo 39 universidades federais.
A participação no Enem também é pré-requisito para os estudantes interessados em uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). Os benefícios são distribuídos a partir do desempenho do candidato no exame e podem ser integrais ou parciais, dependendo darenda da família. Para participar do programa é necessário ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou em colégio privado com bolsa integral.
A matriz com os conteúdos que serão cobrados na prova estão disponíveis no edital publicado na semana passada no Diário Oficial da União.

Informativo


Nesta terça-feira será ministrada aula de Geografia com o professor Válter (pseudônimo Valtinho ).
Estaremos postando aqui o conteúdo nesta segunda. Fique atento.

Atenciosamente,
CDC

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Na contramão do Brasil, DF vê desigualdade crescer, diz Ipea

Em Brasília, aumento da renda não significou queda na desigualdade.

Situação está ligada ao grande número de funcionários públicos.

 A desigualdade de renda no Distrito Federal aumentou nos últimos anos num movimento contrário ao que vem sendo verificado no Brasil, aponta estudo divulgado nesta sexta-feira (20) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
Entretanto, a desigualdade no DF, que já era maior do que a média brasileira, continuou subindo nos últimos anos. Aplicando o índice de Gini (que varia de 0 a 1, sendo 1 a maior desigualdade possível), o estudo mostra que a desigualdade em Brasília e entorno foi de 0,60 para 0,61 entre 2005 e 2009 – e deve aumentar.O documento mostra que a renda per capita média diária no Distrito Federal cresceu mais e em velocidade maior do que na média do país. Entre 2003 e 2008, essa renda no DF passou de US$ 15,4 para US$ 24,9, ante uma variação nacional de US$ 8,1 para US$ 12,1.
No mesmo período, a desigualdade no Brasil como um todo medida pelo índice de Gini passou de 0,57 para 0,54, com tendência de continuar em queda.
“Em Brasília, a renda está aumentando mais rápido do que no Brasil. Só que isso não significou queda na desigualdade porque quem ganhou esse aumento de renda foram os mais ricos. No restante do Brasil, esse aumento de renda verificado nos últimos anos, apesar de mais lento, chegou aos mais pobres”, disse o diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea e autor do estudo, Jorge Abrahão de Castro.
De acordo com ele, a situação está ligada ao grande número de funcionários públicos em Brasília e à recuperação do poder de compra dessas pessoas a partir de 1999.
“Mas o dinamismo do mercado de trabalho do DF, que é basicamente de serviços, não consegue fazer com que isso repercuta para os mais pobres”, apontou Castro.
O levantamento revelou ainda que o percentual de pessoas que vivem em situação de pobreza extrema (com renda domiciliar per capita inferior a R$ 67) no DF é inferior à média nacional (4,7% contra 14%). E que os pobres da região tem, em média, 4,3 anos de estudo, ante média brasileira de 3,1 anos.
Entre os extremamente pobres do DF, 67,5% vivem em moradias adequadas (a média brasileira é de 45%), 90,6% estão em casas com água encanada, coleta de esgoto e de lixo (29,7%) e 100% têm iluminação elétrica (93,4%).

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Informativo


  • Inf.1: Na próxima aula do cursinho será ministrada aula de Física com o professor Marco Aurélio, o conteúdo ainda não foi definido, por isto não estou postando-o, em pouco tempo estaremos recolhendo o conteúdo e iremos postá-lo.
  • inf.2: Na reunião de hoje dos colaboradores diretos do cursinho, decidimos algumas aulas e os professores serão convidados em breve. Também terminamos as carteirinhas que serão emplastificadas e distribuídas aos alunos freqüentes provavelmente na próxima aula.
Aproveitando ainda o espaço, quero informar o nosso e-mail para você poder tirar alguma dúvida, reclamar ou elogiar:            gdfse.dredf.ced03@gmail.com

Link da comunidade "Igual a você eu quero respeito" que foi mencionada na última reunião geral: 

Se você deseja ter contato diretamente comigo, sugiro que me adicionem no OrkutTwitter ou Facebook